Rede dos Conselhos de Medicina
CRM-AC é totalmente contra flexibilização do Revalida usando COVID-19 como justificativa
Seg, 11 de Maio de 2020 19:56

O Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) informa que é totalmente contra a decisão que permite ao Estado do Acre a contratação de profissionais com diplomas de Medicina obtidos no exterior sem que tenham feito a devida revalidação de diploma e repudia qualquer tentativa de flexibilização do Revalida usando a pandemia de COVID-19 como justificativa.

A Assessoria Jurídica do CRM já estuda medidas recursais para suspender o efeito da decisão e no final busca reformar na íntegra. O recurso será dirigido ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília - DF.

Em nome dos médicos acreanos e de todo país, a autarquia expressa indignação diante da tentativa de políticos de ressuscitarem, em meio à crise provocada pelo novo coronavírus, projeto que permite aos portadores de diplomas de medicina obtidos no exterior a possibilidade de atuar no Brasil sem antes passar por exame que verifique seu conhecimento, competência, capacidade, habilidades e atitudes.

O CRM tem sido vanguardeiro no enfrentamento dessa que é de uma das maiores crises do sistema de saúde pública, realizando fiscalizações nas unidades; encaminhando solicitações da classe médica; editando recomendações ao Estado do Acre, a exemplo da reabertura da Fundação Hospitalar do Acre, que desafogou os atendimentos nas unidades referências ao enfrentamento da COVID-19.

Além disso, tem expedido com celeridade inscrições aos médicos recém formados pela UFAC, a fim de que possam somar no combate ao coronavírus e participado de campanhas diárias de isolamento social, colaborando para que o sistema de saúde pública não caminhe ao colapso.

Assim como em outros momentos, o CRM-AC mantém seu entendimento de que a lei deve ser observada no que se refere à necessidade do exame de revalidação de diplomas médicos obtidos no exterior, o qual precisa ser conduzido em seus moldes originalmente previstos. Para tanto, devem ser respeitados critérios idôneos de avaliação do conhecimento dos candidatos.

Em sua manifestação à Justiça, o Conselho refuta a informação do Estado de que há um déficit de médicos no Acre, com base em dados da demografia médica do ano de 2018. Segundo o CRM, os dados merecem análise mais cuidadosa, tendo em vista que até abril deste ano o Conselho expediu 2.435 inscrições, sendo que 1.044 profissionais foram transferidos para outros estados, demonstrando a ausência plena de valorização salarial e oportunidade de emprego no Estado do Acre.

“O déficit existente não é de médicos no Estado, mas sim de médicos no Governo do Estado do Acre, que se mantém inerte na contratação de novos médicos inclusive neste período crítico”, salientou o documento.

O Conselho lembra ainda que, no último dia 27 de abril, junto com as demais entidades médicas do Estado, participou de uma reunião com o governador Gladson Cameli e secretário de Saúde, Alysson Bestene, para tratar sobre a necessidade de contratação de novos médicos e melhorias para os profissionais que têm atuado na linha de frente contra o novo coronavírus.

Na oportunidade, foi proposto pelas entidades que o governo convocasse os profissionais médicos do cadastro de reserva do concurso de 2013 e 2014. Ainda na manifestação à Justiça, o CRM ressalta que esses foram os últimos concursos promovidos pelo Estado, sendo que desde lá as contratações são “precárias e temporárias”.

O CRM-AC informa que continua na luta pelo ético exercício da Medicina, garantindo à população segurança e eficiência nos atendimentos e ressalta que, para tanto, os médicos brasileiros devem ser respeitados, valorizados e reconhecidos.

Revalida – Ano passado, ao sancionar a Lei nº 13.959/2019, que instituiu o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida), o Governo Federal encerrou debate de vários anos, conduzido na Câmara e no Senado.

De acordo com o texto, esse processo deve ser cumprido porque verifica “a aquisição de conhecimentos, habilidades e competências requeridas para o exercício profissional adequado aos princípios e às necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS), em nível equivalente ao exigido nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina no Brasil”.

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner